Gigantones e cabeçudos

Nota: Resultado de um trabalho de composição, de foto mais quadra, para uma t-shirt,com inspiração nos Gigantones e Cabeçudos das Festas da Agonia.

 

 

Gigantone e cabeçudo

Assim é o meu amor

Teima e luta contra tudo

Quer na alegria ou na dor.

 

Gigantone é o meu amor

Cabeçudo até mais não

Animado salta e dança

Se te vê meu coração.

 

 

Lugares mágicos!

Quem circula na direção do Norte Interior percebe, a cada quilómetro realizado, o porquê do fascínio que esta zona do país exerce sobre quem a visita. São os lugares, as gentes, a ruralidade, os petiscos, a sensação de poder da Natureza sobre o Homem  e o facto de que toda a vida é organizada em função das condições geográficas e climatéricas, próprias da região. São as mesmas que ajudam a ditar interessantes costumes e tradições. Em cada canto, quando menos se espera, pode aparecer algo diferente e único: um veado, uma ave de rapina, uma árvore que conta histórias, um penedo com forma humana, um pastor que surge do nada, no meio do monte, no mesmo local onde há minutos atrás não se via nada…

As Terras de Barroso, são sem dúvida especiais. As suas tradições e festividades atraem cada vez mais pessoas. Exemplo disso é a comemoração da “Sexta-Feira 13”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Ainda sobre o Entrudo…

Facanito: uma palavra nova a adicionar ao meu dicionário.

O que é um facanito?

Ora aqui está!

DSC_3028  DSC_2949

Um “facanito” é um careto pequenito! É uma criança que se disfarça de careto, imitando os rituais dos adultos e iniciando-se assim no perpetuar da tradição.

Sabiam? Eu não!

Mas agora já sei:

De pequenito chocalha o facanito!

Entrudo chocalheiro

Depois de uma caminhada pela zona envolvente da belíssima albufeira do Azibo, em Macedo de Cavaleiros,  foi tempo de festejar o entrudo chocalheiro, em Podence. Um Carnaval à moda antiga, uma forma de perpetuar as tradições.

Sem dúvida, genuíno e único, com os seus atrevidos e coloridos Caretos a chocalhar por todo o lado.

Um dia muito bem passado. Talvez tenha sido o arco-íris, logo pela manhã, que o abençoou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Visita a não perder!

Armando Jorge é um fotógrafo com paixão pelo retrato. A parte deste gosto pelo retrato, tem vindo a desenvolver um trabalho que tem sido excecional pelo documentar das nossas tradições, uma verdadeira homenagem às gentes e suas terras, do nosso Portugal mais genuíno. Quanto à qualidade, nem se discute! Quem percebe um mínimo de fotografia sabe da dificuldade que é fotografar em ambientes escuros, sem comprometer os trabalhos e dignificando o retratado, fazendo ainda com que este se sinta à vontade para tal.

https://www.facebook.com/portugarural/?pnref=lhc

Mais uma vez apresenta um belíssimo trabalho, desta vez de um dos Carnavais mais tradicionais, da zona Norte e interior: o entrudo na Misarela.

O entrudo é uma manifestação cultural remonta a tempos longínquos e simboliza o fim do Inverno dando entrada à…

Posted by Armando Jorge on Tuesday, February 13, 2018

 

Receita “Natal Feliz” 

Receita “Natal Feliz”
10854273_968717913142546_9046412463430186863_o
Num recipiente coloque:
300 g de paz;
150 de saúde;
1 chávena de compreensão;
6 gemas de alegria;
3 dl de amizade;
1 cálice de boa vontade;
Umas raspas de sorte;
1 colher de chá de surpresas(das boas 🙂 )
1 pitada de sorrisos.

Mexa bem todos os ingredientes até ficarem bem misturados. Reserve.

À parte bata as claras de amor em castelo. Junte-as ao preparado anterior e envolva tudo muito bem, com carinho, mas mão bem firme, até ficar uma massa fofa.
Com 50 g de convicção, unte uma forma de família, se possível da tetravó.
Polvilhe com um pouco de melancolia. Verta sobre ela a massa.
Está pronta a ir ao forno!

Leve ao forno, a 180 graus de família, durante a noite de consoada. Aguarde.
Estará pronta quando a estrela mais alta anunciar o nascimento do Menino Jesus.

Retire do forno e, enquanto arrefece, prepare uma calda de perseverança.
Num pequeno tacho coloque 250 ml de trabalho, 1 dl de paciência, 1 colher de sopa de atitude e 1 colher de chá de oportunidades. Junte-lhe 1 pau de prosperidade. Deixe levantar fervura e retire do lume.
Verta a calda ainda quente e polvilhe com açúcar de esperança.

Et voilá! Basta fatiar!

Bom apetite e… FELIZ NATAL!

(Nota: Também é muito deliciosa quando saboreada noutras alturas do ano… 🙂 )

 

S.João D’Arga

A romaria de S. João D’ Arga é talvez uma das mais típicas e genuínas romarias do Norte de Portugal. Ao mosteiro chegam as gentes vindas de todo lado e das mais variadas formas: de carro, de mota, de bicicleta, a pé e até em modo trail. Mas a forma mais ancestral e típica, para quem quer viver em pleno a romaria, é chegar a pé cumprindo promessa, caminhando pelo meio dos montes ou percorrendo a estrada. Outros há, que sem promessa cumprida, percorrem os mesmos trilhos aproveitando aquilo que a zona oferece em termos de Natureza e paisagem. Outros ainda aproveitam para acampar e permanecer em Arga por uns dias. E não é de admirar que por entre os montes, seja quem vem de Nogueira, S. Salvador da Torre, ou ainda de outra freguesia qualquer, se veja acompanhar de idosos de cajado na mão, com o lenço ou boné na cabeça e chinelos no pé, a caminhar por entre as pedras com mais destreza que a malta nova. Não levam a garrafa de água, farnel, telemóvel último grito ou impermeável; apenas uns trocados, o cajado e uma grande e inabalável vontade. Diz-se que a fé e o querer movem montanhas e é verdade.
Há uns anos tive a possibilidade de fazer o percurso de Nogueira a S. João D’Arga com um grupo de amigos. Uma experiência única e inesquecível. Num percurso de algumas horas cruzamo-nos com idosos que subiam e desciam o monte como quem caminha por entre ervas. O mato e as pedras pareciam desviar-se para lhes abrir caminho. “- Está quase; falta pouco; não custa nada!”- Diziam eles a incentivar quem subia.
Nessa altura, ir a S. João D’Arga era considerado parolo por uma grande maioria de gente nova. Apenas alguns e as gerações mais velhas valorizavam. Entretanto tornou-se moda e vieram as enchentes de pessoas. Estacionar, se antes era difícil, começou a ser uma verdadeira aventura. O melhor é chegar pela manhã, ou início da tarde. Para os mais aventureiros e pacientes, acampar de véspera.
Este ano resolvi voltar e recordar os bons velhos tempos, na esperança de que sendo uma segunda-feira houvesse menos confusão. Não foi bem o que esperava! A confusão estava lá. 🙂
Durante a maior parte do dia a animação foi dominante, com a alegria das gentes, as concertinas, os cantares ao desafio e o despique entre as bandas (Banda Filarmónica da Associação Musical de Vila Nova de Anha e Banda de Música da Casa do Povo de Moreira do Lima), que muito têm contribuído para a visibilidade destas festas. Mas quis desta vez o Santinho que as coisas não corressem tão bem, porque nestes locais quem manda é a mãe Natureza. Após o cair da noite, com a mudança de tempo, a trovoada causou estragos, prejuízos, feridos e sustos!
Mas são estas coisas que provam porque é que esta é uma festa tão especial: é o espírito das gentes. As pessoas organizaram-se sem grande pânico, salvo uma ou outra situação, o que é compreensível. Poderia ter corrido bem pior. Os elementos das bandas, todos molhados e apinhados nos cobertos, no meio das pessoas e às escuras, sem parte dos instrumentos que deixados à pressa ficaram no coreto à chuva, conseguiram entreter um pouco as pessoas enquanto se aguardava o acalmar da situação.
Infelizmente, não aconteceu o grande momento da noite, porque as bandas ficaram impossibilitadas de concretizar o tão famoso e animado tocar em desafio e tiveram que se retirar. Mas a festa continuou, mesmo sem luz, com chuva e depois do sucedido. As concertinas voltaram a tocar, as pessoas a cantar e a beber o famoso jiripiti.
Quem vem a S.joão D’Arga e não experimenta o jiripiti (o bagaço com mel) não veio a S.João D’Arga.
Para quem não visitava há muito tempo, pode dizer-se que foi um a experiência eletrizante. 🙂
Para o ano, se o Santinho deixar e não sussurrar ao ouvido da Mãe Natureza, há mais!

Este slideshow necessita de JavaScript.