No País dos Invejosos…

Este é um artigo de pura ficção.

Qualquer semelhança com qualquer país é pura coincidência…

Qualquer semelhança com o mundo real é pura imaginação…!

No País dos Invejosos não se vai votar, porque há sempre algo mais urgente para fazer, nem que seja dar banho ao cão, e não dá jeito nenhum. Até, porque, também não vale a pena, já que é tudo a mesma coisa e o país está tão mal. Não iria mudar nada. Ou, então, vota-se sempre nos mesmos, porque já se está habituado e há que manter a tradição.

No País dos Invejosos não se vai às reuniões, porque é uma chatice falar de coisas sérias e pode perder-se a novela ou o futebol, o ginásio, a esteticista, ou o jantar que não pode ser atrasado mais meia hora, o que seria uma tragédia e a família poderia morrer de fome.

No País dos Invejosos, o jantar não pode atrasar por causa de uma reunião, mas as crianças já se podem deitar às 24h00 se for para acabar de ver o programa preferido.

No País dos Invejosos, não há dinheiro para dicionários ou livros, mas há para desembolsar, na hora, para um jogo de futebol ou as sapatilhas, penteado e calças da moda que nos fazem andar em formato fotocópia de todos os outros.

No País dos Invejosos, não são valorizadas a criatividade, originalidade e individualidade.

No País dos Invejosos, muitos coitadinhos subsidiados que se queixam que o país está mal e são muito pobrezinhos- os outros é que ganham muito- andam de Audi, BMW , Mercedes,…; constroem anexos de legalidade duvidosa que mais parecem mansões; recebem o ordenado mínimo e fazem vida de luxo; constroem oficinas caseiras para trabalho não declarado à custa do material “emprestado” pelo patrão (o tal que é um sacana); recusam cheques dentista e leite escolar porque isso é coisa de pobre; os filhos comem lanches cheios de gulodices caras onde não aparece um pão; os filhos nunca gostam da comida da cantina; os filhos já têm o telemóvel último grito da moda; etc e tal.

No País dos Invejosos, come-se sardinha e arrota-se lagosta.

No País dos Invejosos, muitos coitadinhos recebem subsídio, tendo capacidades para trabalhar.

No País dos Invejosos, não se protegem os verdadeiros necessitados.

No País dos Invejosos, os filhos dos outros não podem andar mais bem vestidos do que o(s) nosso(s).

No País dos Invejosos, os filhos do outros não podem andar em mais atividades do que o(s) meu(s).

No País dos Invejosos, as pessoas estão sempre com pressa e querem ser atendidas antes dos outros.

No País dos Invejosos, certos deficientes emocionais estacionam no lugar dos deficientes motores.

No País dos Invejosos, valoriza-se a “chico-espertice”.

No país dos Invejosos, ter mau feitio é ter personalidade e ter personalidade é ser mau feitio.

No País dos Invejosos, se alguém construiu algo de bom, ativa-se automaticamente o sistema do aparelhómetro “Deita Abaixo”.

No País dos Invejosos, não se é capaz de tentar compreender qual o bom e o mau de qualquer trabalho ou profissão.

No País dos Invejosos, não se é capaz de perceber que muitos dos rumos levados pela vida se deveram às escolhas tomadas e há que arcar com as consequências, boas ou más; que o vizinho ou colega não teve mais sorte, simplesmente fez outra escolha perante o que a vida lhe apresentou.

No País dos Invejosos, ser sapateiro, operário, pescador, agricultor ou outro, ganhando dinheiro honestamente e produzindo bens para a sociedade, ainda não é considerado nobre.

No País dos Invejosos, não se tem empatia pelas dificuldades e desgraça dos outros, porque “ ”À minha frente é que não passa!”; “Deve ser coitadinho deve…”;”Se ele tem direito a dois chouriços, eu também tenho direito a dois chouriços.”,…

No País dos Invejosos, pressupõe-se que o raríssimo ascender por mérito se deveu a aldrabice, “ filhice”, “familice”, “amigalhice” ou “horizontalice”.

No País dos Invejosos, tem-se inveja dos que subiram na vida à custa do trabalho e/ou estudo.

No País dos Invejosos, a cultura do mérito e excelência é uma miragem…

No País dos Invejosos, quer-se ganhar o mesmo que os outros, sem ter que fazer o mesmo esforço e sacrifício para lá chegar.

No País dos Invejosos, quer-se ser rico sem fazer nenhum.

No País dos Invejosos, há quem já tenha nascido cansado.

No País dos Invejosos, não há dinheiro para Cultura, Saúde, Justiça e Educação, porque foi desviado pelos invejosos, corruptos e não cidadãos.

No País dos Invejosos, todos têm que ganhar uma miséria, porque “eu também vivo na merda”.

No País dos Invejosos, sente-se raiva por alguém estar melhor do que eu…

No País dos Invejosos, todos têm que estar tão mal quanto eu estou…

No País dos Invejosos, as conquistas dos outros criam azia.

No País dos Invejosos, dá-se mais à língua do que ao cerebelo .

No País dos Invejosos, ser má língua é passatempo.

No País dos Invejosos, não há dinheiro para comida e médico, mas há para o LCD tamanho campo de futebol.

No País dos Invejosos, o luxo e o básico confundem-se.

No País dos Invejosos, as prioridades não são prioritárias…

No País dos Invejosos, ser proativo deve ser algo que vem naqueles iogurtes especiais para quem tem problemas digestivos e colesterol alto.

No País dos Invejosos, quer-se mal só por querer.

No País dos Invejosos, tem-se inveja só por ter.

No País dos Invejosos, “emprenha-se” pelos ouvidos e pelas falsas notícias.

No País dos Invejosos, decifra-se o código mas não se lê.

No País dos Invejosos, prolifera o analfabetismo funcional.

No País dos Invejosos, não se pratica a gratidão.

No País dos Invejosos, não se praticam a paciência e compreensão.

No País dos Invejosos, solidariedade e companheirismo são doenças infectocontagiosas.

No País dos Invejosos, nunca nada serve.

No País dos Invejosos, vive-se insatisfeito.

No País dos Invejosos, não se é capaz de pensar e sentir.

No País dos Invejosos, não se vê com olhos de ver.

No País dos Invejosos, não há deveres; só há direitos.

No País dos Invejosos, as regras são para os outros.

No País dos Invejosos, ser cidadão provoca comichão.

No País dos Invejosos, prolifera a miséria emocional, mental e moral.

No País dos Invejosos, a inveja e a ignorância andam de mãos dadas.

No País dos Invejosos, a ignorância saiu, sai e sairá muito cara.

No País dos Invejosos, vive-se frustrado, ressabiado, triste e deprimido.

O País dos Invejosos está condenado a morrer sufocado na própria inveja…

Gigantones e cabeçudos

Nota: Resultado de um trabalho de composição, de foto mais quadra, para uma t-shirt,com inspiração nos Gigantones e Cabeçudos das Festas da Agonia.

 

 

Gigantone e cabeçudo

Assim é o meu amor

Teima e luta contra tudo

Quer na alegria ou na dor.

 

Gigantone é o meu amor

Cabeçudo até mais não

Animado salta e dança

Se te vê meu coração.

 

 

Pensamentos de caca…

Pensamentos de caca…

O mal da ignorância é que ela pode ser tão galopante quanto uma diarreia infecciosa.

O ignorante, assumindo a informação ignorante que lhe é dada como uma verdade absoluta,  espalha  a microbiótica ignorância  sem ter noção do grau de diarreia mental implícito, contribuindo para  a multiplicação da mesma.

E a caca espalha-se, a outros cérebros diarreicos!

Em resumo: Ler, faz bem à saúde!

 

Restauro: Take two – No aquecimento…

Após o primeiro dia de trabalho, começa a segunda temporada.

Mr. Zequinhas, na euforia do primeiro dia ter corrido tão bem, arranca da grelha de partida sem esperar por mim.

Quando chego, já estava concluído o primeiro passo e iniciado o segundo.

– Não !!! (Pensei!)  

– Não pode ser! Não posso perder pitada!

Recapitulando:

1º Passo – Fazer uma esquadria nos pés do móvel e tirar uns centímetros, para eliminar a parte desfeita pelo bicho da madeira.

2º Passo – Preparar a mente, para lixar os pulsos, a lixar. Meter mãos à obra!

3º Passo – Fico a observar tanta vontade, com a mão na lixa, em cada recanto. Fico na dúvida e deixo estar um bocado sem apresentar o plano B (afinal até arrancaram sem mim) e …, eis que saco da lixadeira automática, como um coelho que se tira da cartola! Maldade! Ih ih ih!

4º Passo – Mr. Zecas apodera-se da lixadeira e , ao volante da mesma, circula pelo móvel, como um carro numa pista de corridas. Num instante tudo fica polido. Quase nem lhe toquei, pois, ao ver o Fittipaldi com um brilhozinho nos olhos, não tive coragem de lhe tirar o brinquedo.  Mas não faz mal! Contentei-me com os recantos, também eu ao volante de um topo de gama de estimação, o meu berbequim de precisão e dos seus mil e um apetrechos: escovas, escovinhas, lixas, esmeris,….

5º Passo – Limpar o pó gerado pelo polimento com uma trincha e pano.

6º Passo – Pulverizar o móvel com desinfetante, isto é, mata bicho, para madeiras.

img_20180506_184317.jpg

7º Passo – Arranjar uma tábua para o fundo do espelho, de substituição. A outra estava podre.

Lições do dia:

  • Quanto mais depressa começares, mais depressa acabas. Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.
  • Para a próxima, tens que ser a primeira  a pegar na lixadeira, ou ficas a chuchar no dedo.

IMG_20180504_172123

Restauro:Take one! – A aventura vai começar!

Apresentando: o mono!

IMG_20180503_144908.jpg

(Antes de ir à esteticista! 🙂 )

A aventura vai começar! Partida!

1º Passo – Medir o móvel e limpar o lixo e o pó velho (atchim, atchim, atchim,….snif, snif,… atchim!).

2º Passo – Muitos atchins e comichões depois, transportar o móvel.

Transportar um móvel deve ser a parte mais caricata e divertida do início de um processo de restauro. Encaixar a peça pretendida no espaço disponível, que não é o ideal, pode ser um ato verdadeiramente desesperante e mirabolante. A vantagem? Desenvolve- se a criatividade. Nada que um cordão e uns farrapos transformados em atilhos não consigam resolver. Chegar a casa sem o móvel ter saltado pela mala do carro, ou se ter desconchavado todo, é um feito por si só impressionante.

 

3º Passo – Desmontar o espelho e despir o móvel de lixos.

Uma parte chata, mas necessária: tirar o espelho, sem o partir, e avaliar o que está podre e é necessário tirar (frisos de madeira podres e bichosos; pregos velhos, enferrujados e sem cabeça, em risco de tatuar o corpo; peças metálicas partidas e oxidadas).

4º Passo -Dar uma banhoca ao móvel. Nada como um bom banho de água e sabão. “Mister Zequinhas”, meu fiel cavaleiro andante ajudante, divertiu-se com a mangueira, açambarcando-a. Eu bem quis um bocado, mas nem vê-la, limitando-me às funções de esfregadora, varredora de água para o esgoto e fotógrafa barata ( sem máquina, de telemóvel). Muito estimulante!

5º Passo – Suspirar de alívio. O móvel da avó, da tetaravó, ou seja lá de quem for, ainda está de pé!

Lições do dia:

  • A criatividade, na resolução de problemas, dá muito jeito.
  • Andava a dizer a palavra desconchavado, desconchavadamente mal, por lhe tirar o “d”.