Bem-vindo, outono!

Bem-vindo, outono!

 

Bem-vindo, outono!

Vieste confundido com o verão
Quiseste enganar-me, que brincalhão!
Mas enquanto houver praia, sol e mar
À vontade me podes enganar!

Eu não levo a mal a tua brincadeira
Com o sal na pele, sinto-me inteira
Pois trago um pedaço do meu mar amado
E o meu coração fica temperado.

Prometo brincar com as tuas folhas
Quand’ elas bailarem, soltas, pelo ar
Mas, entretanto, deixa-me assim
A sorrir, feliz, com o Sol e o Mar.

O meu verbo preferido…

Cascatear, é um verbo! Sabiam? Por sinal, o meu verbo preferido.

Cascateando, é o gerúndio do verbo cascatear. Como eu adoro estes gerúndios…!

E a conjugação na primeira pessoa do singular, do presente do indicativo – “eu cascateio”- , não é deliciosa?

É sim! Melhor, mesmo, só o plural: “Nós cascateamos!”.

– Ah, como é bom cascatear, por esse Portugal afora!

IMG_20180828_150456 (2)ass

DSC_0175adapassDSC_0168assDSC_0153adapass

Lugares mágicos!

Quem circula na direção do Norte Interior percebe, a cada quilómetro realizado, o porquê do fascínio que esta zona do país exerce sobre quem a visita. São os lugares, as gentes, a ruralidade, os petiscos, a sensação de poder da Natureza sobre o Homem  e o facto de que toda a vida é organizada em função das condições geográficas e climatéricas, próprias da região. São as mesmas que ajudam a ditar interessantes costumes e tradições. Em cada canto, quando menos se espera, pode aparecer algo diferente e único: um veado, uma ave de rapina, uma árvore que conta histórias, um penedo com forma humana, um pastor que surge do nada, no meio do monte, no mesmo local onde há minutos atrás não se via nada…

As Terras de Barroso, são sem dúvida especiais. As suas tradições e festividades atraem cada vez mais pessoas. Exemplo disso é a comemoração da “Sexta-Feira 13”.

Este slideshow necessita de JavaScript.