À procura

Por entre as ervas e à procura de petisco, bicando aqui e acolá, cirandava pelo campo esta cegonha. Ela e mais uma companheira. Apesar da grande proximidade, deixaram-se estar, perceberam que não lhes queria mal. O pitéu que andavam a colher certamente valeria bem a pena o risco. Achei piada, pois estamos mais habituados a vê-las empoleiradas em algum suporte alto e não a alimentar-se. Fez-me lembrar os tempos de pequena, em que observava as vacas malhadas (pretas e brancas) a deleitarem-se nos campos, com a erva verdinha e fresca. As cegonhas não são vacas e não comem erva, mas também elas, com o seu preto e branco, descobriram muitos prazeres, aqui no Norte; ao ponto de se começarem a fixar por estas terras, quando antigamente nem sequer era normal vê-las na época de migração, a não ser no centro e sul do país. Sinais de mudança dos tempos…Photo at sector 412224-16-9.assred

 

 

As lagoas que nunca enjoam…

Sempre que posso visito esta pequena zona húmida que serve de abrigo a tantos animais. Gosto de a visitar ao longo do ano e observar as mudanças.

Costumo dizer que estas lagoas  nunca enjoam, seja com frio, com calor, em dia nublado ou solarengo. São sempre bonitas.

Liberdade…

Liberdade é ter asas para voar

Voar na imaginação

Imaginação sem fronteiras

Fronteiras de cor, raça ou credo.

Credo num mundo com arte

Arte de saber viver

Viver os sons, cheiros, sabores, texturas e cores

Cores da Terra, do Mar e do saber amar

Amar em respeito pelo individual e coletivo.

 

Continue reading “Liberdade…”